Compartimentos  Diários Hermeticamente Fechados.

Fatos  Fundamentais Que  Você  Deve  Saber a  Respeito  Das  Preocupações Viva  em  ”Compartimentos  Diários Hermeticamente  Fechados”.

Na  primavera  de  1871,  um  jovem  pegou  um  livro  e  leu vinte  e  quatro  palavras  que  tiveram  conseqüências  profundas em  seu  futuro.  Estudante  de  medicina  no  Hospital  Geral  de Montreal,  ele  estava  preocupado  em  passar  no  exame  final  e quanto  ao  que  deveria  fazer,  aonde  ir,  como  exercer  a  sua profissão,  como  ganhar  a  vida. As  vinte  e  quatro  palavras  lidas,  em  1871,  por  esse  jovem estudante  de  medicina,  ajudaram-no  a  que  se  tornasse  um  dos médicos  mais  famosos  da  sua  geração.  Organizou  a  Escola  de Medicina  Johns  Hopkins,  de  reputação  mundial.  Tornou-se professor  régio  de  Medicina  em  Oxford  —  a  maior  distinção que  pode  ser  concedida  a  um  médico  no  Império  Britânico. Foi  feito  cavaleiro  pelo  rei  da  Inglaterra.  Quando  morreu, foram  necessários  dois  imensos  volumes,  contendo  1.466  páginas,  para  contar  a  história  de  sua  vida. 

Chamava-se  Sir  William  Osler.  Eis  aqui  as  vinte  e  quatro palavras  que  ele  leu  na  primavera  de  1871  —  vinte  e  quatro palavras  de  Thomas  Carlyle  que  o  ajudaram  a  levar  uma  vida livre  de  preocupações:  “O  nosso  principal  objetivo  não  é  ver  o que  se  encontra  vagamente  a  distância,  mas  fazer  o  que  se acha  claramente  ao  nosso  alcance”. Quarenta  e  dois  anos  depois,  numa  noite  suave  de  primavera,  em  que  as  tulipas  se  abriram  no  campus,  esse  homem, Sir  William  Osler,  fez  um  discurso  aos  alunos  da Universidade  de  Yale.  Disse  a  eles  que  um  homem  como ele,  que  tinha  sido  professor  em  quatro  universidades  e escrevera  um  livro  muito  popular,  era  tido  como  dotado  de um  “cérebro  especial”.  Afirmou  que  aquilo  não  era  verdade. Disse  que  os  seus  amigos  íntimos  sabiam  que  o  seu  cérebro era  “dos  mais  medíocres”. Qual,  então,  foi  o  segredo  do  seu  sucesso?  Declarou  que era  devido  ao  que  ele  chamava  viver  em  “compartimentos diários  hermeticamente  fechados”.  Que  queria  dizer  com isso?  Poucos  meses  antes  de  falar  em  Yale,  Sir  William  Osler atravessara  o  Atlântico  num  grande  navio,  no  qual  o  capitão, da  ponte  de  comando,  acionava  um  botão  e  —  pronto!  — havia  um  ruído  de  máquinas  e  imediatamente  várias  partes do  navio  eram  isoladas,  num  instante,  umas  das  outras  — isoladas  em  compartimentos  hermeticamente  fechados. “Ora,  cada  um  dos  senhores”  —  disse  o  Dr.  Osler  aos estudantes  de  Yale  —  “constitui  uma  entidade  muito  mais grandiosa  do  que  o  transatlântico,  e  está  destinado  a  uma viagem  muito  mais  longa.  O  que  insisto  em  que  façam  é  que procurem  aprender  a  controlar  de  tal  modo  o  seu maquinismo,  que  isso  lhes  permita  viver  em  compartimentos diários  hermeticamente  fechados”,  como  o  meio  mais  certo de  conseguirem  realizar  uma  viagem  segura.  Vão a ponte comando  para  ver  se,  ao  menos,  as  grandes  anteparas  estão em  ordem.  Apertem  um  botão  para  ouvir,  em  todos  os  níveis de  sua  vida,  as  portas  de  ferro  isolando  o  passado  —  os  dias mortos  de  ontem.  Toquem  noutro  botão  e  separem,  com uma  cortina  de  aço,  o  futuro  —  os  “amanhãs”  que  ainda  não nasceram.  Então,  estão  salvos  —  salvos  por  um  dia!…  Isolem o  passado!  Deixem  o  passado  extinto  enterrar  os  seus mortos…  Afastem  os  “ontens”,  que  têm  levado  tantos  tolos a  caminho  do  pó…  O  fardo  de  amanhã,  acrescentado  ao  fardo de  ontem  e  carregado  hoje,  faz  com  que  os  mais  fortes vacilem…  Isolem  o  futuro  tão  hermeticamente,  como  o passado…  O  futuro  é  hoje…  Não  há  amanhã.  O  dia  da salvação  é  hoje.  O  desperdício  de  energia,  a  pobreza  de espírito,  a  ansiedade  nervosa,  seguem  os  passos  do  homem que  se  sente  angustiado  quanto  ao  futuro…  Fechem  bem, pois,  as  grandes  anteparas  da  proa  e  da  popa,  preparando-se para  cultivar  o  hábito  de  viver  em  “compartimentos  diários hermeticamente  fechados”. Acaso  desejou  o  Dr.  Osler  dizer  que  não  devemos  fazer nenhum  esforço  a  fim  de  nos  prepararmos  para  o  amanhã? Não.  Absolutamente.  Mas  ele,  ao  prosseguir  o  seu  discurso, afirmou  que  o  melhor  meio  de  nos  prepararmos  para  o  futuro é  nos  concentrarmos  com  toda  a  nossa  inteligência,  com  todo o  nosso  entusiasmo,  no  trabalho  que  estivermos  realizando hoje,  para  que  ele  seja  o  mais  soberbo  possível.  E  esse  o  único meio  existente  de  nos  prepararmos  para  o  futuro.
Esse é um trecho do livro de DALE  CARNEGIE –  COMO EVITAR PREOCUPAÇÕES E  COMEÇAR A  VIVER.
Vem aí o SIM GESTÃO 360!
O 1° Simpósio Nacional Online Gestão 360.
Acesse a página Facebook.com/simgestao360 e Aguarde!

Acesse ead.corporategestao360.com.br
E crie seu login e senha grátis.

Abraços, 
Robson Campos
Diretor Gestão 360 
Facebook.com/robsoncampos360

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s