Empreendedor não deve agir impulsivamente

Num dia de início da primavera, eu percorria de carro um
passo de montanha no Colorado, quando uma repentina lufada
de neve encobriu o veículo alguns metros à minha frente.

Mesmo forçando a vista, eu não conseguia distinguir nada; a
neve em redemoinho transformara-se numa alvura cegante. Ao pisar no freio, senti a ansiedade me invadir o corpo e ouvi as batidas surdas do coração.

A ansiedade transformou-se em medo total. Fui para o acostamento esperar que a lufada passasse. Meia hora depois, a neve parou, a visibilidade retornou e segui em frente, sendo
parado uns 100 metros adiante, onde uma equipe de ambulância socorria um passageiro de um carro que batera na traseira de outro que andava em velocidade mais lenta. A colisão havia bloqueado a rodovia. Se eu tivesse continuado a dirigir na neve que impedia a visibilidade, provavelmente os teria atingido.

A cautela que o medo me impôs naquele dia talvez tenha salvado minha vida. Como um coelho paralisado de terror ao sinal da passagem de uma raposa — ou como um protomamífero escondendo-se de um dinossauro predador — fui tomado por um estado interno que me obrigou a parar, a prestar atenção e a tomar cuidado diante do perigo iminente.

Todas as emoções são, em essência, impulsos, legados pela evolução, para uma ação imediata, para planejamentos instantâneos que visam lidar com a vida. A própria raiz da palavra emoção é do latim movere — “mover” — acrescida do
prefixo “e-”, que denota “afastar-se”, o que indica que em qualquer emoção está implícita uma propensão para um agir imediato. Essa relação entre emoção e ação imediata fica bem
clara quando observamos animais ou crianças; é somente em adultos “civilizados” que tantas vezes detectamos a grande anomalia no reino animal: as emoções — impulsos arraigados para agir — divorciadas de uma reação óbvia.

Em nosso repertório emocional, cada emoção desempenha uma função específica, como revelam suas distintas assinaturas biológicas;

Diante das novas tecnologias que permitem perscrutar o cérebro e o corpo como um todo, os pesquisadores estão descobrindo detalhes fisiológicos que permitem a verificação de como diferentes tipos de emoção preparam o corpo para
diferentes tipos de resposta:

• Na raiva, o sangue flui para as mãos, tornando mais fácil sacar da arma ou golpear o inimigo; os batimentos
cardíacos aceleram-se e uma onda de hormônios, a adrenalina, entre outros, gera uma pulsação, energia
suficientemente forte para uma atuação vigorosa.

• No medo, o sangue corre para os músculos do esqueleto, como os das pernas, facilitando a fuga; o rosto fica lívido, já que o sangue lhe é subtraído (daí dizer-se que alguém ficou “gélido”). Ao mesmo tempo, o corpo imobiliza-se, ainda que por um breve momento, talvez para permitir
que a pessoa considere a possibilidade de, em vez de agir,
fugir e se esconder. Circuitos existentes nos centros emocionais do cérebro disparam a torrente de hormônios que põe o corpo em alerta geral, tornando-o inquieto e pronto para agir. A atenção se fixa na ameaça imediata, para melhor calcular a resposta a ser dada.

• A sensação de felicidade causa uma das principais alterações biológicas. A atividade do centro cerebral é incrementada, o que inibe sentimentos negativos e favorece
o aumento da energia existente, silenciando aqueles que geram pensamentos de preocupação. Mas não ocorre nenhuma mudança particular na fisiologia, a não ser uma
tranqüilidade, que faz com que o corpo se recupere rapidamente do estímulo causado por emoções
perturbadoras. Essa configuração dá ao corpo um total relaxamento, assim como disposição e entusiasmo para a
execução de qualquer tarefa que surja e para seguir em direção a uma grande variedade de metas.

• O amor, os sentimentos de afeição e a satisfação sexual implicam estimulação parassimpática, o que se constitui no oposto fisiológico que mobiliza para “lutar-ou-fugir” que
ocorre quando o sentimento é de medo ou ira. O padrão parassimpático, chamado de “resposta de relaxamento”, é um conjunto de reações que percorre todo o corpo,provocando um estado geral de calma e satisfação, facilitando a cooperação.

Em todo o mundo, a expressão de repugnância se assemelha e envia a mesma mensagem: alguma coisa
desagradou ao gosto ou ao olfato, real ou metaforicamente.

A expressão facial de repugnância — o lábio superior se retorcendo para o lado e o nariz se enrugando
ligeiramente — sugere, como observou Darwin, uma tentativa primeva de tapar as narinas para evitar um odor nocivo ou cuspir fora uma comida estragada.

• Uma das principais funções da tristeza é a de propiciar um ajustamento a uma grande perda, como a morte de alguém ou uma decepção significativa. A tristeza acarreta uma perda de energia e de entusiasmo pelas atividades da
vida, em particular por diversões e prazeres. Quando a tristeza é profunda, aproximando-se da depressão, a velocidade metabólica do corpo fica reduzida. Esse retraimento introspectivo cria a oportunidade para que seja lamentada uma perda ou frustração, para captar suas conseqüências para a vida e para planejar um recomeço quando a energia retorna. É possível que essa perda de energia tenha tido como objetivo manter os seres humanos vulneráveis em estado de tristeza para que permanecessem perto de casa, onde estariam em maior segurança.

Essas tendências biológicas para agir são ainda mais moldadas por nossa experiência e pela cultura. Por exemplo, a perda de um ser amado provoca, universalmente, tristeza e luto.

Mas a maneira como demonstramos nosso pesar, como exibimos ou contemos as emoções em momentos íntimos, é moldada pela cultura, o mesmo ocorrendo quando se trata de
eleger quais pessoas em nossas vidas se encaixam na categoria de “entes queridos” dignos de nosso lamento.

Este artigo é um trecho do livro Inteligência Emocional do Daniel Goleman.

Participe do 3° Workshop Online Educação Corporativa a Distância.
Faça sua inscrição no link abaixo:
http://www.gestao360ead.com.br
100% Grátis! 100% Online!

Seja bem-vindo(a) a Corporate Gestão 360!

Acesse nosso site http://www.corporategestao360.com.br

Nos siga na fanpage
Facebook.com/Corporategestao360
Curta, comente nossas postagens legais e compartilhe.

Cadastre-se em nosso Blog
http://www.corporategestao360.com.br/blog
E receba nas terças-feiras às 19h conteúdos bem interessantes sobre Gestão de Negócios.

E conheça também nosso programa de educação corporativa a distância:
http://www.gestao360ead.com.br
Facebook.com/gestao360ead

Assista esse vídeo também sobre
Empreendedor 360° com Robson Campos & Maurício Constantino.
Qual a diferença entre Marketing & Comunicação?

Se você gostou desse conteúdo, comente e compartilhe ele para seus amigos, parceiros, colaboradores e clientes.

Vamos levar o método Gestão 360 para todo o Brasil, elevando assim o nível de empreendedorismo é gestão empresarial para o máximo de empreendedores e empresários do nosso país.

E faça parte da nossa comunidade no grupo Facebook.
https://www.facebook.com/groups/901173680041813/

Grande abraço e
#VamoqueVamo

Robson Campos .’. CEO Gestão 360
Facebook.com/robsoncamposgestao360
Palestrante l Consultor l Mentor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s